02

Leasing ou Financiamento, qual a melhor opção?

Em tempos de crise a palavra chave é cortar gastos, no entanto, tem muitas pessoas que ainda estão em busca de trocar seu automóvel ou mesmo adquirir o primeiro, e então surge uma dúvida bastante recorrente, financiamento (CDC) ou arrendamento mercantil (leasing), qual a opção mais barata?

 

Vejamos alguns aspectos, o Consumidor deve primeiramente ter essa pergunta dentro de si, por quanto tempo pretendo ficar com o veículo?

 

Essa pergunta diz muito qual das modalidades você deve escolher, e as diferenças no caso são essas: No leasing a taxa de juros cobrada sobre o bem é um pouco menor do que no financiamento, fator esse que torna o leasing atrativo, certo?

 

Talvez, pois, caso queira antecipar as parcelas para poder vender, ou simplesmente quitar o bem, poderá quitar as parcelas, mas terá de pagar os juros de forma integral, e só receberá um desconto com a quitação do contrato.

 

No financiamento, a possibilidade de antecipar as parcelas é possível, e o melhor de tudo, com desconto sobre a taxa pactuada, pois, você está devolvendo o dinheiro para o banco antes do prazo.

 

A lógica em um primeiro momento nos faz pensar que devemos optar pelo leasing em vez do financiamento, mas, se, por exemplo, o comprador receber um bônus em seu emprego, e julgar prudente a amortização de algumas das parcelas para obter o desconto, no leasing isso não será possível.

 

Os custos operacionais no Leasing são de fato mais vantajosos, uma vez que Leasing não se paga IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), já no financiamento esse pagamento é diluído nas parcelas.

 

As diferenças são muitas e não param por aí, existem algumas diferenças na propriedade do bem. No leasing a propriedade do bem é do Banco, portanto, você tem a posse, mas o veículo permanece em nome do banco até a quitação integral do bem, já no financiamento a propriedade e a posse do bem são do Consumidor, e somente é feito um registro no documento do veículo informando que o veículo está alienado.

 

Por fim, imaginem que ocorreu a quitação integral das parcelas em ambas as modalidades, os caminhos então são diferentes. No leasing existe um termo denominado VRG (Valor Residual Garantido), que, ao fim do contrato de arrendamento mercantil, será sempre utilizado para liquidar o valor da opção de compra do bem, mas, é com o pagamento do VRG que a propriedade do bem é transferida do banco para o Consumidor, caso não ocorra o pagamento, então o bem é devolvido para o banco ou financeira.

 

No financiamento como a propriedade do bem já está no nome do Consumidor, a única observação que deve ser feita é entrar em contato com a financeira ou banco, para que retirem o gravame da documentação, pois, é comum o Consumidor quitar o bem e quando idealizar a venda do bem é pego de surpresa, pois, o banco não baixou o gravame do documento do veículo. Apesar de entender que essa obrigação é total do banco, devemos nos atentar aos detalhes, por fim, caso queira vender o bem, com o gravame devidamente baixado esse poderá ser vendido sem qualquer embaraço.

 

Caso tenha quitado as parcelas do financiamento e queira consultar, aqueles em que o veículo esteja com placas de São Paulo, consegue acessar pelo site do DETRAN-SP, qualquer restrição ou gravame que esteja na documentação do veículo, para consultar é necessário estar com o número do RENAVAM e as placas do veículo.

 

Para maiores esclarecimentos, entre em contato conosco!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>