2º Passo – O perfil de imóvel ideal para arrematação

A escolha de um imóvel é determinante na hora da arrematação, acredito ser o ponto chave, portanto, tenham atenção aos seguintes pontos:

– Imóveis com fácil acesso as principais vias.
– Imóveis com comércio, ponto de ônibus ou metrô, terminais, faculdade, colégio, shoppings e restaurantes.
– Valor do Condomínio compatível com o metro quadrado da região.
– Rua com pouco movimento.
– Prédio com elevador.
– Imóvel com vaga de garagem.
– Rua sem a presença de feira livre.
– Rua que não esteja sujeito a alagamento.
– 2º andar para cima.

Os pontos são norteadores, obviamente, pode ser que você não encontre um imóvel com todos os pontos citados, no entanto, caso o imóvel possua a maioria da características, a venda dele será muito mais fácil.

Passo a Passo para arrematar imóveis em leilão – Introdução

Rodrigo Costamilan Advogado e sócio do escritório Costamilan Advogados Associados irá trazer um conteúdo diferenciado, detalhando como arrematar imóveis para obter lucro.

Serão diversos artigos os quais cada um deles irá trazer dicas, soluções, alertas e perigos desse universo.

O primeiro ponto é entender que existem duas modalidades de leilão, Judiciais e Extrajudiciais.

Os leilões judiciais estão vinculados a um processo, podem ser tanto na esfera cível como na trabalhista, basicamente os da esfera cível são processos envolvendo o imóvel, no qual em sua maioria foi parar em um leilão por falta de pagamento das taxas condominiais, ou pelo IPTU. Os leilões judiciais trabalhistas envolvem processos entre Reclamantes e Reclamados, os quais em sua maioria o Reclamado não pagou as verbas trabalhistas, foi condenado e não efetuou o pagamento, nesse caso o imóvel vai parar no leilão para garantir que tais verbas sejam pagas, o imóvel é penhorado e levado a leilão.

Os leilões extrajudiciais são aqueles provenientes de bancos, ou seja, os bancos retomam a propriedade dos imóveis financiados, pois os fiduciantes, ou seja aquele sujeito que financiou o imóvel, deixou de efetuar o pagamento das parcelas, e com isso o banco não precisa sequer de processo para retomar a propriedade, basta notificar o devedor para que purgue a mora, e não sendo cumprido tal requisito ocorre a consolidação da propriedade em favor do banco. O banco então direciona os imóveis para um leilão por meio de um leiloeiro publico. Os descontos costumam ser vantajosos e atrativos.

Separação judicial ou divórcio – Qual a melhor alternativa?

Todos os dias recebemos notícias de casais que estão se separando, buscando colocar um fim em seus relacionamentos e, inclusive, procurando soluções para proteger seus filhos e bens de um divórcio conturbado. 

Pensando nisso, por meio deste breve artigo, iremos esclarecer algumas das principais dúvidas exaltadas por nossos clientes, nos termos da legislação atual vigente.

Com o advento de um novo Código de Processo Civil, novas regras e técnicas de separação conjugal são colocadas em pauta em vista à debates de sua efetiva utilização e adequação aos novos tempos.

Por esta razão, procederemos por tópicos, esclarecendo os procedimentos e suas etapas, uma a uma, a fim de não restar dúvidas.

Em primeiro lugar, cumpre registrar que é mais do que natural estar nervoso diante de situação tão dramática e sentimental como o divórcio. Lidar com os sentimentos é uma tarefa delicada, mormente quando há crianças envolvidas, razão pela qual se deve agir com cautela e ter certeza do que quer.

Pessoalmente, acredito que assim como nós, bem-intencionada fatia dos grandes escritórios busca a conciliação dos casais e de suas famílias, buscando tratativas de acordo, antes de qualquer tomada de escolha mais radical.

Não logrando êxito com tentativas de conciliação, cabe ao advogado indicar a melhor opção, dentre muitas, ao cliente que pretende se separar.

Pois bem. Seja judicialmente ou em cartório, todas as espécies de separação possuem características e requisitos próprios, de modo que na ausência de apenas um elemento, o procedimento deve ser substituído por outro mais indicado.

Segundo o artigo 1.571 do Código Civil são causas terminativas da sociedade conjugal as seguintes situações: (i) pela morte de um dos cônjuges; (ii) por nulidade ou anulação do casamento; (iii) pela separação judicial; e, por fim, (iv) pelo divórcio.

Embora considerados semelhantes, a separação judicial e o divórcio são institutos completamente diferentes, impondo, o ordenamento jurídico brasileiro, restrições legais àqueles que optam pela opção aparentemente mais simples. 

A separação judicial, por exemplo, parece ser a alternativa mais simples e rápida, posto que põe fim a coabitação do casal e fidelidade recíproca, porém, se desejarem, as partes não poderão se casar novamente. Para isso, precisam optar pelo divórcio.

Nada impede que o divórcio sobrevenha a separação, o que é bastante comum quando o casal não tem tanta pressa para casar novamente, podendo ser requerido em juízo após 01 ano da homologação da separação judicial.

Mesmo não havendo a separação, se o casal já estiver separado de fato, isto é, quando não coabitarem, por no mínimo dois anos, poderão realizar o chamado “divórcio direto” – extrajudicial – que possui os mesmos efeitos do procedimento comum de divórcio, desde que atendidos os seus requisitos.

Ademais, tanto o divórcio, quanto a separação abrangem a discussão de guarda de menores, fator que pode afastar as opções na esfera extrajudicial, uma vez que o Ministério Público ainda atua como parte indispensável no processo.     

Esclarecidas as principais distinções entre os 02 institutos de dissolução conjugal, vamos às espécies de divórcio.

Como já dito anteriormente, o divórcio é uma das causas que ensejam o término da sociedade conjugal, possuindo o condão de dissolver o casamento válido mediante sentença judicial ou extrajudicialmente por meio de escritura pública.

 

O divórcio possui duas espécies, o chamado divórcio conversão e o divórcio direto.

Decorrido um ano do trânsito em julgado da sentença que houver decretado a separação judicial qualquer das partes (ou em conjunto) poderá requerer a conversão da separação em divórcio, daí o nome “divórcio conversão”.

Já o divórcio direto ocorre quando há separação de fato por dois anos ou mais, sem ser necessário especular a sua causa, independentemente de preexistir ou não separação judicial.

Com relação ao divórcio direto relatado acima, necessário se faz uma atenção especial, pois atendidos alguns requisitos este pode ser realizado no cartório, não havendo necessidade de intervenção judicial, apesar da presença de um advogado ainda ser necessária.

As vantagens da realização do divórcio no cartório é o tempo para execução, posto que após o pagamento dos impostos e taxas necessários o divórcio é realizado em poucos dias.

Os requisitos para que a realização do divórcio direto são: (i) casal separado de fato a mais de dois anos ou judicialmente a mais de um ano; (ii) inexistência de filhos menores ou incapazes; (iii) partes assistidas por advogados.  

Caso haja excesso de meação (um cônjuge abrir mão de um pedaço na sua parte na divisão dos bens em favor do outro) deverão ser calculados e previamente recolhidos os valores referentes ao ITBI e ITCMD.

Tratando-se de assunto tão valioso, necessária a busca por operadores profissionais que atendam, minuciosamente, os interesses de seus clientes, com vistas a evitar desapontamentos e constrangimentos futuros.